junho 20, 2014

Luis Suárez, o craque da Copa de Mundo de 2014

Mais um toque dramático da seleção uruguaia: o fisioterapeuta de Luis Suárez tem câncer. Nenhum roteiro de Hollywood trabalharia com tantos elementos melodramáticos, com tamanha dose de carga emocional. Acho uma pena não termos mais em nosso futebol personagens assim. Polêmicos, desafiadores, meio doidos. Garrincha, Heleno de Freitas, Edmundo, Romário, Renato Gaúcho ... essa linha de jogadores parece em extinção por aqui. 

Fato que devemos lamentar muito porque esses jogadores, independente da bola que jogam, encarnam com suas marras, suas atitudes extremas e desembestadas, uma dose de irresponsabilidade que equipara o futebol ao rock'n'roll.

Desde que o mundo é mundo os astros do rock são extremos. Amy Winehouse, Kurt Cobain, Janis Joplin, entre tantos outros, são essenciais para a continuidade do verdadeiro espírito do rock. São transgressores, polêmicos, exagerados. Não merecem envelhecer e morrer como nós, pobres mortais. Devem perecer jovens e entrar no hall mitológico. Devem quebrar todas as regras e mostrar ao mundo o que é viver dez anos a mil. Ainda que a decadência de uns e outros seja inevitável, personagens como Suárez tornam o futebol, a arte do futebol, mais divertida, mais controversa, mais engraçada. 

Ele morde os adversários, esquece o fairplay, dá declarações racistas e, gostando dele ou não, estraçalha a bola quando entra em campo. Messi? Um chato. Neymar? Um boneco. Cristiano Ronaldo? Um boneco chato. Suárez? Um craque à moda antiga. 

Desde ontem, quando despachou a Inglaterra 20 dias após operar o joelho, Suárez, para mim, é o craque dessa Copa do Mundo. Um craque de personalidade, que chama para si a responsabilidade do jogo e não some quando tudo vai mal.

Sou fã.  

Uma seleção sem drama

Minha falta de entusiasmo pela seleção brasileira vem dos idos de 1994. Foi a última Copa que me pegou pelo coração. A partir de então vibro mais com seleções alheias. Sabe ... a seleção brasileira é muito sem graça. Muito sem graça mesmo. Detectei o problema hoje quando vi a matéria sobre o craque uruguaio Luis Suárez, após sua monumental partida contra a Inglaterra. 

Menos cabelo e mais futebol!

A seleção brasileira é sem carisma. Tudo é fake. O cabelo do Neymar, as caretas do David Luiz, as modas do Daniel Alves, acho que até a bunda do Hulk. Tudo parece pasteurizado, programado, igual. Não há um toque dramático que nos faça chorar ou sofrer. Uma seleção sem sal.

Em 1994, o Brasil torcia contra o Brasil. Eu torcia para a seleção para ser do contra. E porque tinha o Dunga querendo dar a volta por cima, o Romário bad-boy no auge da carreira, toda aquela turma da seleção de 90 meio que com gana de dizer que não eram mercenários, a morte do Senna. Um contexto para lá de dramático. Quando o mundo dizia que o Brasil não ia ganhar, ganhou. Quer enredo melhor?


Em 1998 teve aquele drama do Ronaldo que até hoje ninguém sabe dizer o que foi. Mas tinha o Zagallo raivoso, gritando que tinham que engoli-lo a qualquer custo. Um senhor de cabelos brancos aos berros nos pênaltis contra a Holanda. Era irresistível. Uma seleção envelhecida, meio doida, com o Dunga dando cabeçada no Bebeto em pleno jogo. Um descontrole total, mas que nos levou ao vice-campeonato.

Em 2002 tinha o Ronaldo desacreditado. Eu mesma achei que ele nunca mais chutaria uma bola depois de ver seu joelho se partir em pedaços no jogo da Inter. Tinha o Felipão, a tal família Scolari. Tudo bem .. Tinha o Roque Júnior, o Vampeta, mas justamente por isso era hilário ver o Brasil jogar. Não morri de amores, mas foi legal ver o Ronaldo dar a volta por cima. 

A Copa seguinte, 2006, foi uma palhaçada tão grande que nem vale comentar. Foi o primeiro passo de distanciamento. Aquilo foi um circo. Só faltou o pão. Faltou porque os jogadores estavam obesos e devem ter comido tudo. Na África do Sul aí que eu não torci mesmo. Dava para vibrar com um time dirigido por um técnico grosso como o Dunga?
E com Felipe Melo no meio-campo? Foi o divórcio. Resolvi não torcer mais pela seleção. E não torci. Como até hoje não fico nervosa, não fecho os olhos, não saio da sala. Se ganhar, ganhou e, se perder, perdeu.

Porque desde 2006 a seleção do Brasil é uma água de salsicha. Desinteressante. Cheia de jogadores que eu nunca vi jogar e que não merecem estar ali. A desse ano é a mesma coisa. Todos os jogadores mega estrelas, crianças mimadas como li outro dia, fazendo propaganda de seus patrocinadores nas redes sociais entre um treino e outro e com um futebolzinho ridículo. 

Daí que você olha para o vizinho Uruguai e sente toda a dramaticidade, digna de Janete Clair, nos manos celestes. Tem o Suárez operado, lutando contra o tempo. Tem o Lugano machucado. Tem a derrota contra a Costa Rica. A eliminação eminente, o jogador expulso. Nem Janete Clair faria melhor. O segundo adversário? Inglaterra. 

E não é que Suárez destrói o jogo marcando dois golaços? Dois golaços sem aquelas firulas irritantes do Neymar! E no meio do jogo um uruguaio apaga após uma cabeçada, cai nocauteado, e não se deixa substituir! Sensacional! Puro drama latino-americano!!! 

Torci para a Inglaterra, mas no fundo não deixei de vibrar com a vitória uruguaia. Sem eles a Copa ficaria sem graça. Apesar de achar difícil que essa Copa tão surpreendente fique chata em algum momento. Invejo, sobretudo, os uruguaios apaixonados, transbordando garra por todos os poros, fazendo de qualquer jogo uma decisão. 

A nós resta a velha e batida família Scolari. Chata, sem graça e sem sal. 



março 03, 2014

Um pouco de Oscar, um pouco de tudo

As novelas hoje em dia são escritas sob efeitos lisérgicos. Tenho certeza. Nada faz sentido com nada. E nem é tão difícil acertar. Avenida Brasil foi uma amostra de como o público quer histórias mais ousadas, mais diretas. 

Falando nisso, ontem pós Oscar descobri que o guru dos roteiristas, o americano Syd Field, morreu. Fiquei triste. Em 1997 fiz um curso com ele aqui no Rio de Janeiro. Cara simples, boa praça, tranquilo e muito bom no que fazia. Esse ano foi especialmente ruim para o mundo do cinema. Perdemos Gandolfini, o eterno Tony Soprano. Estou fechando a quarta temporada. Uma série fantástico que estou vendo depois do mundo. Sério. 

E por falar em samba ...

Sendo bem sincera, quando se trata de carnaval não gosto de certos exageros de estilo, principalmente na comissão de frente. A comissão de frente tem como função apresentar a escola, apresentar o enredo. E não entendo como um cara saindo de um canhão pode fazer isso. Paulo Barros fez um grande favor ao carnaval trazendo um sopro de novidade à festa, mas nem todo mundo sabe fazer algo diferente que funcione. 

Ver o cara voando pode até ser arrebatador, mas não tem beleza, não "agrega valor" ao desfile. Sem falar nas telas de LED. Acho cafona. Me passa uma certa preguiça. Gostei mesmo do samba do Salgueiro. Tenho muita simpatia pelo Salgueiro. Acho uma escola de gerra, de pé no chão. Gosto da bateria "furiosa". Ainda que as fantasias sejam pesadas, a escola é tradicional e bonita. 

Mas a gente nunca sabe qual de fato escola vai ganhar porque os critérios são bem subjetivos. Mas pela TV mesmo dá para ver o que fica bonito e o que tá uma desgraça. Lembro uma vez que eu e Roberta fomos cobrir o carnaval e a União da Ilha tinha um enredo sobre petróleo. Quando vimos a fantasia, toda preta, com umas torres de petróleo nos ombros das pessoas, nos entreolhamos e falamos: vai cair. 

E caiu. 

dezembro 08, 2013

Ai de ti, Vasco da Gama

Ai de ti, Vasco da Gama, que me causas tanto sofrimento. 

Ser Vasco nos dá um senso de resiliência incrível. É sofrido. Talvez por isso as vitórias sejam tão cheia de prazer. De volta a série B cinco anos depois. Desta vez nem sofri. Também não sofri da outra. Mas desta vez a morte vinha sendo anunciada com tanta antecedência que não dava para se fazer de tolo e dizer: "oh, céus". 

Time medíocre. Muitas brigas. Ambiente ruim. Só não quero que o nefasto volte. Isso seria terrível. Muito atraso. 

Mas o time é grande. O clube é grande. Tem profundas raízes do mais distantes tempos. O Vasco é um time do povo para o povo. Não é popular. Nasceu de seus próprios torcedores, que trabalhando juntos construíram seu estádio. Abriu espaço para os negros. Foi pioneiro em muitas coisas. Nada que o Vasco faça me faz virar a casaca. Em 2014, estarei com ele. 

Mais triste que a queda do Vasco foi ver aquelas cenas de briga no estádio. Inconcebível. Selvagem. No meio da partida me perguntei o porquê de tudo aquilo, mesmo sabendo que porque é um lugar que não existe.

Fiz um artigo para o Bahia Já sobre o tema. Leia aqui.  

Hoje eu tive um sonho

Hoje acordei saudosa do blog. Voltarei a blogar.

Ok. Sei que falo isso com uma frequência incomum, mas peço um voto de confiança aos meus leitores.

Ando numa onda de escrivinhar. Retomando o gosto. Acho que tenho lido mais e uma coisa vai levando a outra. Também ando com a ideia de fazer do blog um site onde eu possa falar das coisas que mais gosto.

Que tal?

 

novembro 27, 2013

Sossego

Sossego. Nara Franco, PIPA - RN

maio 02, 2013

Triste Brasil

Enquanto o mundo protestava no dia 1 de maio, aqui em Pindorama, com diz Elio Gaspari, a patuléia corria para a festa de centrais sindicais. Nos últimos dias tivemos uma dentista queimada viva por menores, um garotos assassinado na porta de casa por um menor, uma menina estuprada no Leblon ... Entre tantos outros absurdos, mas nos contentamos com shows de duplas sertanejas. Seríamos resilientes ou apenas subservientes?

A falta de comando político faz que passe na Câmara dos Deputados um projeto de "cura gay". Há milhões no país morrendo de fome, tuberculose, dengue, desnutrição. Há pessoas que nua família de 5,6 pessoas dividem uma mesma escova de dente. Há aqueles, muitos!, cuja casa está chafurdada no esgoto. E nossos deputados preocupados com quem as pessoas fazem sexo no aconhego de seus lares. Incrível. Aqui tolera-se a morte por doenças que já foram erradicas nos países mais desenvolvidos. Mas nossos legisladores querem nos impor seus gostos, seus jeitos, suas maneiras. Vivemos uma ditadura evangélica fascista.

Enquanto isso, a patuléia ri.

novembro 20, 2012

Bahia Já

Amigos e amigas,
cá estou nesse feriado sem graça do dia 20. Nada contra o feriado, mas esse tempinho bunda não ajuda. Só que não entrei aqui para falar do clima. Entrei aqui para dizer que oficialmente sou colaborado do site Bahia Já. Leiam minhas matérias a começar por esta aqui e prestigiem o site. 

;)

novembro 10, 2012

Minorias maiores

A reeleição do presidente Barack Obama será tratada daqui a cem anos como um fato revolucionário. Se já era histórico os Estados Unidos terem um presidente negro, imagine te-lo por dois mandatos??? Goste dele ou não, Barack (tomarei essa liberdade) já entrou para a história da humanidade por abalar estruturas que muitos achavam sedimentadas com concreto. Ele é político, mas nada convencional. E na políticia, não ser convencional sem ser ridículo é fato raro. 

Barack tem defeitos? Claro. Muitas de suas ações são pura jogadas de marketing? Sim. Mas do que é feito o mundo que não de ilusão. A verdade não é para os fracos. E o que diz a verdade nessa eleição? Que tudo mudou. Da mesma forma que no Brasil hoje há uma classe emergente consumindo o que antes era impensável, a América WASP (Branca, Protestante) está minguando. Não diria sumindo porque Mitt (também tomarei essa liberdade) teve votação expressiva. Mas que a os WASPS entrarão em extinção em breve, não duvido. 

Dizem que Obama foi eleito pelas minorias. Mas quando as minorias elegem um presidente há de se pensar se de fato são minorias. Obama ganhou o voto das mulheres porque entende melhor o papel que as mulheres representam na sociedade em todo o mundo. Em seu partido não há senadores defendendo o estupro. Enquanto republicanos tiverem em suas fileiras determinados tipos que já não cabem mais neste mundo, novos Obamas virão e ganharão. 

Aqui, em nuestras playas, ligamos a TV e só vemos as chamadas classes C, D, E. Favelas, subúrbios, exageros bregas de vestuário, CUFA, Alemão, Empreguetes. Isso aí. O mundo mundo e a caravela tem que mudar também. Daí a importância de termos uma reforma política onde as pessoas não sejam presas simplesmente por não se levantarem em um culto evangélico dentro de uma assembléia legislativa. Respeito às liberdades e diferenças. Obama defendeu o casamento gay, ridicularizou a mania republicana de declarar guerra a qualquer coisa que respire, falou às mulheres, aos latinos, aos asiáticos. Falou à América emergente e ganhou a eleição. 

O eleitor nunca é burro. Comete erros, claro. Mas não é burro. Que o nosso prefeito abra o olho. Votos em maioria não são garantia de nada.