agosto 15, 2006

Sessão pipoca

Falei pra vocês que vi?

Há uns dois finais de semana peguei três filmes. Um deles, Crash. Amei. Passei o filme inteiro tensa porque sabia que o árabe ia tomar satisfações do chaveiro e sabia que ia sobrar pra filha. Mas apesar de ser um filme pesado, Crash é um filme de bonitas mensagens e a mais tocante delas é a história do chaveiro. Acho que falta essa sutileza as nossas novelas que preferem mostrar a realidade preto no branco sendo que ela poder ser muito mais bonita e tocante se suavizada de modo a fazer a gente parar para pensar.

Por que digo isso?

Porque me incomoda cenas de arrastões e balas perdidas em horário nobra. Não ajudam, não trazem benefício, apenas estigmatizam o que já é estigmatizado. Aumentam o preconceito. Em Crash, na cena em que o pai acha a menina embaixo da cama, é contada de forma muito sutil o fatoi de um dia ter entrado no quarto da menina uma bala perdida. A cena poderia ter sido mostrada? Poderia. Mas não sei. Acho que não há regra, tudo é uma questão de momento, de linguagem. Mas achei tão forte ... outra situação interessante do filme é a solução para essa mesma questão do árabe. Em cinema é assim .. quanto menos se mostra melhor. É um filme de muitas saídas e saídas interessantes. Assim como Matchpoint. Esse é uma obra prima. Só Woddy Allen mesmo para fazer um filme cujo temática anda de mãos dadas com a ópera. Incrível como a trilha vai crescendo com o filme, naquela história de sangue e paixão. Amei o filme. E o roteiro ... nossa ... nota dois mil.

Terminei a sessão com Cidade Baixa. Desse eu não gostei. Achei ruim. Muito sexo e pouca história. Fraco, fraco ...

Um comentário:

ana carolina disse...

Engraçado, eu também vi este filme no fim de semana e do mesmo modo que vc, achei fantástico. A príncipio não estava gostando muito, mas com o desenrolar da história passei a achar impressionamente a relação entre os personagens. Como diria um amigo meu: "bons filmes são aqueles de que lembramos e comentamos no dia seguinte". Até mais!