abril 20, 2008

Meias

O último post recebeu 3 comentários. Achei até muito pelo assunto. Digo isso porque achei que só eu prestava atenção nessa moda absurda de usar meia até joelhos. Moda, ressalto, em alta nas academias de ginástica do Rio. Recebi comentários intrigantes, engraçados, que me fizeram pensar bastante em alguns conceitos. Vejamos:

Segundo Val, que me deixa "beijo com saudades", o que me leva acrer que seja minha amiga Val,

todas as épocas trazem suas cafonalhas à tiracolo. Também sou antiguinha e abusei das polainas (cada uma mais listrada que a outra!Ui!). Abusei do verde-limão, do cintão embaixo dos peitos

Cintão embaixo do peito??? Nem me lembrava disso!!! Mas nunca vou esquecer a ombreira. Imaginem ... eu ... 1,60cm ... de ombreira ... por que ninguém nunca me disse o quão ridículo isso era, gente?!?!?! Saia balonê??? Isso eu nunca usei porque seria demais da conta. Mas eu tive uma calça da Company rosa choque e preta. Sendo que ela era rosa com geometrias em preto. Mãe do céu ...


a ún ica coisa que não teve sua "releitura", foi o maldito gel cheio de purpurina.

Seria demais a essa altura do campeonato a gente voltar a usar gel com purpurina. E que onda foi essa, né? Tipo ... nenhum brilho do mundo era suficiente. Lembro que num carnaval meu pai cismou de passar isso na barba... Visualizem a cena ...

"Quem anda na moda, um dia será ridículo."

Seria a moda como o amor?
Quando amamos nos tornamos ridículos ao ponto de andar na rua ouvindo uma trilha sonora quase by Carpenters ou Diana Ross (porra, tô cafona...). Com a moda acontece o mesmo processo. A gente usa hoje pra se arrepender amanhã. E isso também acontece no amor. But thanks God com menos regularidade.

2 comentários:

Paty Maionese disse...

hahahahah
Eu não sou desse tempo, porque eu nasci em fins da década de 80, época em que a breguice reinava soberana. Apesar disso eu lembro de ser pequenininha e usar roupa de lambada.

Ainda bem que eu não me ligo em moda mesmo, assim não corro (muito) o risco de me sentir super ridícula daqui a alguns anos.

E as ombreiras?! Bem, das ombreiras eu também lembro bastante. Minha mãe tinha um vasto guarda-roupa repleto delas, mas desde aquele tempo eu já as achava simplesmente horrorosas.

Anônimo disse...

Nara querida,
Val=Helga Valesca (Rá!)
Sim, sou eu. E fiquei muito feliz que tenha gostado de minhas ridículas, porém bem vividas lembranças rsrsrsrsrsrs
Pois é, menina, esqueci das ombreiras! Nó, como usei isso!!! Acabei de lembrar que meu vestido de "formatura" do 1º grau (era assim q se dizia)era sem manga, mas carregava imponentes ombreiras. Viche!!!
Ai, como eu gostava de Carpinters! (fique chocada com a morte de Karen, por anorexia, doença que ainda não era MODA). Adorava Boy George, olha isso!
O meu primeiro namorado tinha uma calça da COMPANY, amarelo fluorescente com partituras musicais em preto. Pai eterno! Devia ser no estilo da sua, Nara rsrsrsrs
Então...eu ia toda montada, ao melhor estilo NEW WAVE, pra matinê da HELP, com meu relógio CHAMPION que trocava a pulseira(sem nem imaginar o inferninho em que se transformava aquele lugar depois que a molecada ia embora), paquerar o menino que dançava em cima do queijo da DANCETERIA.
Enfim... os anos 80, foram over em cafonália, mas eu adorei estar lá.

Beijos com saudade,

Helga Valesca