março 13, 2008

Filosofias

Há dois dias em que não podemos mudar nada. Ontem e amanhã. Uma amiga querida me disse isso ontem. Pena que insisto em carregar ontem atado à cintura. Quanto ao amanhã, ppoderia surgir menor turbulento.

Será verdade que existam pessoas que largam tudo - disse tudo - para ter uma existência em paz consigo mesmo, distante dos muitos moinhos que produzem ventos inconstantesm, variáveis difíceis de lidar.

Aprendemos na faculdade que o melhor da notpicia vem no lead. Que se respondermos a seis perguntinhas básicas as matérias sairão tinindo. Mas não aprendemos, porém, a lidar com as tempestades humanas. Essas que arrastam gente e emoções. Lidar com aquele sentimento colegial que nos torna meninas ao invés de mulher. Lidar com os problemas reais sem fazer deles aquele palhaço feio de Poltergeist. Aquele que no meio da noite surge embaixo da cama a nos sufocar.

A cada um cabe uma realidade. E nem sempre - quase nunca - o que eu vejo corresponde ao que os outros vêem.

4 comentários:

Notebooks disse...

Hello. This post is likeable, and your blog is very interesting, congratulations :-). I will add in my blogroll =). If possible gives a last there on my blog, it is about the Notebook, I hope you enjoy. The address is http://notebooks-brasil.blogspot.com. A hug.

UNITED PHOTO PRESS WORLD disse...

...com certeza que existencialimos sempre existiram enquanto mentalidades pensadoras produzirem o bem e o mal... (muito pra comentar em pouco espaço)
www.filozufandus.com

Paty Maionese disse...

Depois de um tempo você descobre quem nem sempre o lead é o mais importante. Pena que tem gente que nunca desenvolve sensibilidade suficiente pra entender isso.

Ricardo disse...

Acho que existem essas pessoas, sim. Às vezes penso em me tornar uma delas, mas aí me pergunto: será que elas ficaram em paz consigo mesmas ou só com um determinado aspecto de si mesmas que as incomodava? Que outros incômodos novos surgiram? Surgiram novos? A lista de questionamentos é interminável em bem sei...
Uma coisa é fato mesmo: a cada um cabe uma realidade. Embora a gente saiba que de alguma forma tem como moldá-la, nem sempre alcançamos como...
Compartilhamos o mesmo fundo... rs (in both senses...)